Por norma as crianças portuguesas com mais de três anos, “principalmente as que frequentam os estabelecimentos públicos”, não fazem sesta, uma preocupação levantada pela Sociedade Portuguesa de Pediatria, que elaborou um documento com recomendações para a Prática da Sesta da Criança nas Creches e Infantários, Públicos ou Privados.

São muitas as vantagens da sesta, pelo que deverá ser facilitada até aos 5/6 anos, já que “a privação do sono na criança está associada a efeitos negativos a curto e a longo prazo em diversos domínios, tais como o desempenho cognitivo e aprendizagem, a regulação emocional e do comportamento, o risco de quedas acidentais, de obesidade e hipertensão arterial”.

Quer saber se a sua criança dorme as horas necessárias? Veja na infografia abaixo as recomendações diárias de sono.

“Não foram contempladas nestas recomendações idades inferiores a 4 meses devido a uma ampla variação dos normais padrões e duração de sono nesta faixa etária, bem como à insuficiente evidência científica de associação com consequências na saúde”.

 

A partir destas recomendações, a Sociedade Portuguesa de Pediatria refere que as crianças de 1 a 2 anos necessitam de 10 a 11h de sono noturno e 2 a 4h de sesta, enquanto as crianças de 3 a 5 anos devem dormir 10 a 11h noturnas e 1 a 3h de sesta. Já as crianças em idade pré-escolar (3 a 5/6 anos de idade) devem idealmente realizar entre 10 a 11 horas de sono noturno e 1 a 3 horas de sesta.

Condições nas creches e infantários
Com o objetivo de fomentar a uniformização e também ajudar e promover uma melhor prática da sesta da criança, a Sociedade Portuguesa de Pediatria faz uma série de recomendações gerais: devem ser proporcionadas as condições adequadas (leito/colchão, ambiente calmo, escuro, com temperatura adequada, limitação de ruído e com vigilância) a todas as crianças em idade pré-escolar a fim de assegurar a qualidade do sono da sesta. Além disso, cada criança deve ter um plano individual de sesta, acordado com a família e a sesta deve ser promovida pela educadora de infância na presença de manifestações de privação de sono ou necessidade de sesta pela criança.

Mas há recomendações para cada faixa etária, que deve perceber se são garantidas pela creche ou pelo infantário:

Crianças com menos de 24 meses de idade (<2 anos)
– Plano individualizado adaptado à criança – número, horário e duração das sestas;
– Duração do sono diurno – 2 a 3 horas (repartida entre 1 a 3 sestas).
Nesta faixa etária a criança cumpre, em norma, dois períodos de sono diurno: de manhã e à tarde.
Entre os 15 e os 30 meses de idade suspende espontaneamente a sesta da manhã

Crianças entre os 24 -36 meses de idade [2 a 3 anos]
– Uma única sesta, de preferência no início da tarde;
– Duração da sesta de aproximadamente 2 horas;
– A criança poderá ser despertada após este período.

Sesta: até que idade?
Há crianças que aos 4 anos não conseguem fazer a sesta, estando despertas com 10 horas de sono noturno, mas há outras que “têm dificuldade em acordar após 11 horas de sono noturno e necessitam de uma sesta de 1 a 2 horas no início da tarde”.

bebé com chupeta

Foto: Sharon McCutcheon

Para a Sociedade Portuguesa de Pediatria, a criança já está pronta para um único ciclo de sono quando:
– há resistência prolongada na hora de adormecer à noite porque não está cansada;
– apresenta despertares noturnos ou acorda muito mais cedo de manhã em comparação com a rotina prévia;
– existe incapacidade em adormecer durante o período inicial de 30 a 40 minutos de sesta;
– tem a capacidade de passar todo o dia acordada com preservação da atenção, humor e atividade sem necessidade de fazer uma sesta.

Embora nem todas as crianças tenham as mesmas reações face à perda de sono ou quando realizam um sono mais curto, “durante o período pré-escolar a maior parte das crianças precisa de cumprir biologicamente um ciclo de sono bifásico (sono noturno + sesta)”.