A insónia é um distúrbio do sono associado à impossibilidade de dormir, que interfere também nas capacidades dessas pessoas ao longo do dia. Alguém que sofre de insónias debate-se com a dificuldade em adormecer e/ou permanecer a dormir, enquanto que ao longo do dia surgem problemas associados à memória, fadiga e preocupações com a saúde.
Estima-se que a insónia crónica afete 10% da população, considerado já um problema de saúde pública pela frequência, complicações médicas e socioeconómicas associadas.

Quer saber se tem insónias?
A insónia pode classificar-se, quanto à duração, por insónia aguda (dura entre uma noite a algumas semanas) e é frequentemente associada a algum tipo de episódio de stress, como uma morte na família. Este tipo de insónia, normalmente, desparece sem  necessidade de intervenção médica.

Por sua vez, chamamos insónia crónica quando há a interrupção do sono pelo menos três noites por semana por pelo menos três meses. Há vários tratamentos, recomendados e acompanhados por especialistas, que podem ajudar quem sofre deste distúrbio do sono.

Sobreviver a um dia de trabalho após uma noite mal dormida

Nem sempre é fácil determinar se sofre de insónias, sendo aliás uma doença que continua a ser sub-diagnosticada. No entanto, pessoas que sofrem de insónias tendem a descrever um destes sintomas:

  •  Dificuldade em adormecer
  •  Acordar durante a noite e ter dificuldade em voltar a dormir
  •  Sono não é restaurador
  •  Fadiga ou baixa energia
  •  Dificuldades cognitivas (no trabalho e na escola)
  •  Variabilidade no humor
  •  Problemas com relacionamentos interpessoais

É difícil sobreviver a um dia de trabalho após uma noite mal dormida e uma única noite sem dormir pode levar a mudança metabólicas, agora imagine as consequências a longo prazo. Por isso é que é tão importante procurar ajuda de um profissional de saúde, quando as noites em claro se tornam mais comuns.

Mas o que causa as insónias?

São muitos os fatores que levam uma pessoa a sofre de insónia, mas as mais comuns estão associadas a:

  • Depressão – Ainda não se saber com certeza se a insónia causa depressão ou se é o contrário, mas é clara a associação entre insónia e pessoas com transtornos depressivos.
  • Ansiedade – Episódios de maior tensão, estar excessivamente preocupado ou sentir-se sobrecarregado pode interferir com o sono.
  • Estilo de vidaTrabalhar até tarde ou por turnos, fazer longas sestas durante o dia, são hábitos que podem interferir  com uma rotina sólida do sono.
  • Alimentação – Álcool, cafeína, nicotina, refeições pesadas perto da hora de dormir podem contribuir para noites difíceis.

 

Diagnóstico e tratamento

Há exames ao sangue, registos e estudos do sono que podem ajudar a chegar a um diagnóstico. O importante é consultar um especialista que o ajude a chegar ao tratamento mais indicado para si.